Mudanças nos Critérios de Desempenho Acústico – NBR 15575 (2021) - Ca2

Mudanças nos Critérios de Desempenho Acústico – NBR 15575 (2021)

Atualizações da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575: Entenda as Mudanças Relacionadas ao Desempenho Acústico

Desde 2013, as construções de edificações residenciais brasileiras devem estar atentas ao atendimento de critérios de desempenho acústico previstos pela norma de desempenho ABNT NBR 15575. Esta norma estabelece critérios de isolamento acústico para fachadas, coberturas, vedações internas e pisos, classificando-os em desempenhos mínimo, intermediário e superior.
Após cinco anos de sua publicação, iniciou-se o processo de revisão da norma, que foi publicado em setembro de 2021 e passa a vigorar em 13 de março de 2022.

Foram atualizadas as cinco partes da norma, sendo elas:

  • Requisitos gerais;
  • Sistemas de pisos;
  • Sistemas de vedação vertical interna e externa;
  • Sistemas de coberturas;
  • Sistemas hidrossanitários;

O que muda com a emenda da NBR 15575?

1. Atualizações de redação e normas de referência
Houve a atualização e a inclusão de novas referências normativas, a fim de garantir uma consonância com o catálogo da ABNT. Normas que antes eram disponíveis apenas em inglês foram traduzidas e incorporadas às referências. Além disso, houve também a exclusão de normas que já não estavam mais vigentes.

2. Ruído de impacto entre salas de unidades autônomas
O texto revisado estabelece que o critério de isolamento de ruído de impacto entre salas de unidades autônomas não é obrigatório. Portanto não há requisitos mínimos para esta situação e a norma indica os critérios para atendimento aos níveis intermediário e superior.

3. Ruído de impacto entre áreas de lazer coletivo e salas das unidades residenciais
Houve também a alteração do requisito para os sistemas de piso de áreas de uso coletivo acima de unidades habitacionais autônomas. A nova emenda faz a distinção entre salas e dormitórios, ou seja, não há requisito mínimo para salas e são indicados apenas valores para níveis de desempenho intermediário ou superior.

4. Requisitos para vedações e pisos de unidades do tipo estúdio                                                                                                                                                                                                    Com a nova versão, espaços como lofts, estúdios, quitinetes devem atender ao desempenho mais restritivo, quando pensamos no uso de seus espaços tanto
para pisos como vedações verticais internas e externas. Isso quer dizer que, se um ambiente for usado como dormitório e cozinha, é preciso que ele esteja de acordo com o desempenho mínimo exigido para dormitórios.

5. Classe de ruído em fachadas
Também foi incorporado um avanço positivo para a avaliação da classe de ruído das fachadas. A partir de agora, é possível fazer essa classificação por meio do nível sonoro que incide sobre a fachada, de maneira mais objetiva. Esse valor é obtido por meio de simulações e medições acústicas, uma metodologia já usada nos projetos executados pela CA2.
Para casos em que a medição acústica não pode ser feita, agora há a previsão de um método alternativo. De acordo com este método, as medições e simulações não são necessárias, desde que atendidas algumas condições específicas no entorno do empreendimento.

6. Valores de referência para classificação de sistemas
Outro avanço interessante é a classificação dos sistemas da edificação como pisos, paredes e janelas em dois tipos: sistemas leves e sistemas pesados. Por exemplo, os sistemas drywall são denominados leves, já alvenaria, o tipo pesado. Fica esclarecido, portanto, que a utilização dos valores de referência deve ser verificada caso a caso, também levando em consideração os cálculos estimativos definidos pelas normas ISO. As estimativas de desempenho mantêm-se com o método de cálculo conforme o padrão internacional ISO 12354, utilizado pelos softwares disponíveis na CA2.

7. Sistemas hidrossanitários
Com relação aos sistemas hidrossanitários, as previsões seguem como caráter não-obrigatório, apenas com recomendação em dormitórios.

8. Academias
Para projetos que envolvem academias, crossfit e salas de musculação, é preciso estar atento ao ruído que provém da queda de pesos e de equipamentos.

De acordo com a emenda, esse tipo de ruído requer um projeto acústico específico para os sistemas de piso. Além disso, para os pisos, não será mais necessário o critério de desempenho mínimo de atendimento para os espaços localizados sobre salas.

A importância da NBR 15575
O objetivo da NBR 15575 é trazer parâmetros mínimos de conforto acústico aos usuários, proporcionando maior controle de qualidade das edificações. A revisão da norma, sob o ponto de vista dos especialistas que visam sempre a melhoria da qualidade acústica, não foi a ideal. No entanto, vale salientar que foram efetuadas melhorias importantes no corpo da norma e que é inegável seu impacto sobre a cadeia de construção das edificações residenciais.
Após quase dois anos de isolamento devido à pandemia de COVID-19, vivemos a transformação do trabalho remoto e a ocupação das residências também como escritórios. Assim, torna-se ainda mais relevante a importância do conforto acústico em edificações residenciais. Dentro deste contexto, vale ressaltar que os laudos acústicos são de extrema importância para o desenvolvimento dos projetos acústicos, para que possamos prever o desempenho dos sistemas usados na edificação. Apesar disso, ainda é necessária a execução de medições após a construção dos empreendimentos, para garantir o conforto acústico aos usuários.

Autoria
Andrea Destefani (Sócia e consultora na Ca2)
Alice Becker Londero (Auxiliar de projetos e pesquisa na Ca2)

Nos siga nas redes sociais: Instagram ca2 linkedin ca2 facebook ca2 youtube ca2 pinterest ca2

Cadastre-se para Receber Nossos Conteúdos e Novidades.

Ao se inscrever você concorda com a nossa Política de Privacidade

* indicates required