Essa é uma história de amor e ódio entre o Mercado da construção civil e a Norma de Desempenho - Ca2

Essa é uma história de amor e ódio entre o Mercado da construção civil e a Norma de Desempenho

Acompanhe a Ca2
Facebook
YouTube
Pinterest
Pinterest
LinkedIn
Instagram

Como tudo começou?

A Norma de Desempenho NBR 15.575 foi apresentada ao mercado pela primeira vez em 2008, mas não chegou a entrar oficialmente em vigor. Sofreu alterações e em 2013 foi formalizada e a versão daquele ano vigora até hoje.

Apenas em 2015 começou-se a perceber um movimento (ainda tímido) do mercado em busca de compreender e atender a Norma.

Imagem Destaque: Jemastock

Atualmente

A partir do segundo semestre de 2018 até o presente momento, percebi um aumento significativo na procura por empresas que prestam serviços de consultoria, simulações computacionais e ensaios in-loco para atendimento à Norma de Desempenho.

Na Ca2 o volume de trabalho nas áreas de desempenho térmico, lumínico e acústico aumentou bastante (assim como os de nossos concorrentes).

Existe na nata dos escritórios de arquitetura e das incorporadoras do Brasil – alguns deles clientes da Ca2 – um ótimo nível de compreensão técnica e implementação sistemática dos requisitos da Norma em seus projetos.

Muitas das antigas objeções de incorporadores relacionadas à aumento de custos e alegada dificuldade técnica estão sendo substituídas por conscientização.

Sabemos que padrões mais elevados de qualidade da construção civil residencial no Brasil ainda são restritos à capitais e grandes centros. Nossa qualidade construtiva é baixa em sua maioria, a informalidade é alta, a durabilidade, habitabilidade e o conforto ambiental são deficitários.

A base comparativa que uso aqui é a de países desenvolvidos. E por que não ousaria? Então após alguns anos de ódio, o Mercado já presta mais atenção à Norma.

A modernização do mercado pôs a Norma em pauta

Na última década muitas incorporadoras familiares e tradicionais se modernizaram. Vimos também o surgimento de novas e modernas incorporadoras, muitas fundadas por ex-sócios e ex-diretores dissidentes de grandes empresas.

Elas nascem em uma época em que é importante ser ágil, digital, flexível e – antes tarde do que nunca – ética.

Essa mistura parece estar dando bons frutos no mercado de incorporação imobiliária e a Norma de Desempenho ganhou força por conta dos novos ares respirados pelo Mercado.

Crème de la crème

Nessa nova dinâmica, as boas incorporadoras e escritórios de arquitetura já compreendem que possuem, juntamente com construtores, a corresponsabilidade pelo desempenho global dos empreendimentos que criam.

Além de cumprir com uma exigência legal, essas empresas buscam criar produtos de melhor qualidade visando posicionamento de mercado e competitividade.

Mas lembre-se que estamos falando da nata dos escritórios de arquitetura e incorporadoras do Brasil, a maioria de São Paulo. Portanto são exceções à regra.

A Norma de Desempenho ainda é pouco disseminada, mesmo em algumas capitais brasileiras, e me arrisco com tranquilidade a dizer que uma porcentagem majoritária de unidades habitacionais que produzimos em nosso país não cumpre com a Norma de Desempenho, parcialmente ou totalmente. Mudar esse cenário é urgente.

Camarão que dorme a onda leva.

A Norma impõem sim um aumento de rigor técnico nos produtos imobiliários. E acredito que seja impeditivo financeiro para uma parcela do mercado. Mas os tempos mudaram, as indústrias amadurecem e evoluem.

Se cumprir com requisitos mínimos de qualidade, durabilidade, conforto, segurança e habitabilidade nos produtos que você oferta é impeditivo financeiro para a sua empresa, seja você incorporador, arquiteto ou construtor, então às portas de 2020 talvez você devesse mudar de atividade profissional.

Uma nova versão da Norma de Desempenho

A versão atual da Norma possui alguns problemas de aplicação prática e quanto à padronização das metodologias para simulações computacionais e ensaios in-loco. Sabemos que ela não é perfeita, e muitos de nós – profissionais atuantes em diversas disciplinas técnicas – estão trabalhando voluntariamente em GTs, aprimorando-a para a nova versão que será publicada em breve (talvez não tão breve, mas esperamos que logo).

E como termina essa história de amor e ódio entre o Mercado e a Norma?

Ela ainda não terminou. Ainda tem muita água pra rolar, muito circo pra queimar, muito pau pra quebrar. Mas os tempos mudaram e mais do que simplesmente cumprir com uma exigência legal, as boas empresas e profissionais conscientes de seu tempo e propósito também querem criar produtos inovadores, duráveis, confortáveis, mais seguros e mais sustentáveis.

Uma Norma de Desempenho que seja tecnicamente criteriosa e ao mesmo tempo que considere questões específicas do mercado, nos faz mais fortes como indústria. Doa a quem doer.

Obrigado por ler.

Se quiser conhecer mais sobre as soluções da Ca2 para conforto térmico, lumínico e acústico, acesse: Norma de Desempenho NBR 15.575

Marcelo Nudel www.ca-2.com | www.marcelonudel.com

marcelo.nudel@ca-2.com

Acompanhe a Ca2
Facebook
YouTube
Pinterest
Pinterest
LinkedIn
Instagram