Como Escolher a Certificação Ambiental ? - Ca2

Como Escolher a Certificação Ambiental ?

Você sabe como escolher a certificação ambiental ideal para o seu empreendimento?

Nesse artigo você vai aprender a fazer uma escolha mais assertiva, seja você arquiteto ou incorporador. O objetivo desse conteúdo, é que você saiba identificar a certificação ambiental que irá agregar valor para o seu cliente final. Assim, você será capaz de entregar um produto de acordo com as expectativas do mercado.

Para definir um sistema de certificação ambiental, você precisa ser capaz de responder a duas questões logo na fase inicial do projeto:

  1. Por que você quer certificar ? Qual o seu objetivo final com a certificação ?
  2. Qual o orçamento disponível e qual a disponibilidade da sua equipe interna, seja você incorporador ou um escritório de arquitetura ?

Responder a essas questões é essencial para desenvolver o processo de certificação, mesmo que você tenha contratado uma empresa de consultoria . Com essas duas respostas claras, já terá um excelente ponto de partida na escolha da certificação ambiental correta.

Foto: Negócios em Movimento

9 Benefícios em Certificar o Seu Empreendimento

Pensando agora no seu objetivo de certificar, separamos algumas das razões e benefícios na lista abaixo.

Certificar o seu projeto:

  1. Gera maior visibilidade;
  2. Diferencia o seu produto no mercado entre os concorrentes;
  3. Agrega valor para o cliente final;
  4. É uma excelente argumentação para vendas;
  5. Valoriza o produto;
  6. Permite a obtenção de incentivos fiscais como o “IPTU verde“;
  7. Adequa o projeto de acordo com as atuais exigências do mercado consumidor;
  8. Faz com que o produto tenha melhor qualidade e desempenho.
  9. Atrai investidores que valorizam a sustentabilidade.

Em algumas cidades do Brasil, já há incentivos fiscais e redução no custo de outorga. Para saber mais, leia o artigo: IPTU Verde – Certificação EDGE

“Há uma tendência de sustentabilidade corporativa que não pode ser ignorada, veio para ficar e que está claramente ligada a investimentos.” (Chris Fowle, diretor para as Américas do PRI, Principles for Responsible Investment (FSB/Divulgação – Fonte: Exame )

Certificação Ambiental como Ferramenta de Diferenciação

Se o seu principal objetivo é diferenciar o seu produto no mercado, você precisa entender a diferença entre dois grandes grupos de sistemas de certificação. 

Existe um grupo chamado Multi-atributos – composto pelas certificações: LEED, AQUA, GBC CASA E CONDOMÍNIO E EDGE.

certificações ambientais

Foto: Consumidor Moderno

O grupo multi-atributos trata a sustentabilidade com uma abordagem múltipla ou seja, são sistemas holísticos que olham para fatores como: energia, água, materiais, resíduos, transporte e localização. A sustentabilidade é vista de uma forma mais ampla em comparação com o grupo de mono-atributo. Esse grupo foca apenas em uma das estratégias de sustentabilidade, aqui nós tempos como exemplo certificações como: procel edifica que olha só eficiência energética e o gbc Net Zero Energy  que também foca só na questão da energia.

Tendo clara essa separação entre os grupos, você pode escolher qual o escopo e a abrangência que você quer oferecer ao cliente final. Mas, mesmo dentro dos multi-atributos existem níveis de maior ou menor escopo.

Enquanto as certificações Leed, Aqua e GBC Casa e Condomínio possuem um escopo completo de atributos sustentáveis, o Edge considera 3 grupos de estratégias (energia, água e energia incorporada aos materiais).  Ou seja, o edge é um multi-atributo, mas está entre os grandes sistemas de certificação holísticos e o grupo mono-atributos, assim podemos considerá-lo como um sistema intermediário.

Logo, se você está satisfeito em ter uma certificação que foca em 3 estratégias, o EDGE é uma excelente opção. Mas, vale lembrar que nesse caso, não poderá categorizar o edifício como “sustentável”, porque ele não terá todos os outros atributos que outras certificações abordam.

Por isso, nessa escolha, se você busca por diferenciação, você precisa ter claro qual é o escopo de atuação do seu projeto. É necessário entender também qual o grau de sustentabilidade valorizado pelo seu mercado consumidor.

A Sustentabilidade no Mercado Investidor

Se o seu objetivo é vender o empreendimento para investidores e não necessariamente para o usuário final, a abrangência do seu sistema de certificação pode ser um fator mais importante.

Existe uma boa parcela de investidores internacionais que investem no brasil, comprando imóveis com o objetivo de alugar. Esse tipo de investimento está cada vez mais recorrente. Hoje já existem Start Ups que atuam nesse mercado. Existem também incorporadoras que estão deixando de vender para operar seus empreendimentos.

Foto: Consumidor Moderno

Sistemas Internacionais

Os sistemas de certificação que possuem respaldo internacional e que são foram feitos por instituições internacionais são: o LEED ( Desenvolvido pelo United States Grennbuilding Council – ONG reconhecida internacionalmente) e o EDGE (desenvolvido pelo IFC – membro do Banco Mundial) . Essas duas certificações podem facilitar a venda para investidores internacionais ou empresas que tem o objetivo de construir ou incorporar aqui no Brasil.

As Certificações e Os Benefícios Fiscais

Se o seu objetivo é obter benefícios fiscais, seja pra você como incorporador para obter redução no custo de outorga, ou para o seu usuário final com a redução do IPTU, existem mecanismos já
implementados em algumas cidades do brasil em um projeto de lei de âmbito federal já aprovado que é o do IPTU verde que reduz o imposto para edifícios certificados.

Caso queira obter os benefícios fiscais em seu projeto, é importante que você faça essa observação na abrangência do escopo, para que você possa considerar essa redução de custos no seu planejamento financeiro.

Agregar Valor Para o Usuário Final

Se o seu objetivo é ter a certificação para agregar valor ao mercado consumidor e ter a sustentabilidade como argumento de vendas, você precisa entender como o seu público irá entender ou valorizar essa informação. Marcas que geram valor para o seu público possuem mais chances no processo de decisão de compra.

É muito comum ver empreendimentos certificados em que não há nenhum tipo de comunicação para o comprador. Normalmente, o corretor responsável pela venda não conhece o sistema e não sabe explicar o material de vendas.  Colocar simplesmente um símbolo sustentável no material de vendas, não trará informação suficiente para que o cliente entenda a importância ou o valor daquele selo.

“Eu sempre recomento os sistemas de certificações que são mais fáceis de serem compreendidos pelo público consumidor de produtos imobiliários, que é um público leigo a respeito desse tema.” (Marcelo Nudel)

Nessa categoria, podemos citar o PROCEL que traz a mesma linguagem visual dos selos de eficiência energética presente nos eletrodomésticos. Desta forma, o mercado consumidor já saberá identificar o selo e relacionar essa informação ao nível de eficiência energética do empreendimento. O EDGE é outro exemplo de certificação mais “fácil” de comunicar já que ele tem um escopo mais reduzido.

Quanto Custa Certificar Um Empreendimento ?

O segundo ponto importante que você deve compreender, como citamos no início do artigo, é o orçamento disponível para projeto e obra e se você tem uma equipe com disponibilidade de acompanhar esse processo do começo ao fim. O consultor terá limites em relação ao controle dos seus processos internos, por isso, é primordial que haja esse acompanhamento e integração entre as equipes.

Os sistemas de certificação multi-atributos, por serem mais complexos, e abordarem uma série de requisitos com relação às estratégias de sustentabilidade, são considerados mais caros.
O LEED, AQUA e o GBC casa e condomínio por exemplo, são três sistemas holísticos dos mais caros do ponto de vista de consultoria. Isso porque, a consultoria para esses três tipos de certificação irão realizar o acompanhamento desde o projeto e durante a obra para controlar os impactos ambientais.

Por todas essas questões, é importante que você saiba o orçamento que poderá ser destinado ao processo de certificação, logo no início do projeto. Isso evita que você escolha um sistema que não caiba no seu orçamento.

No processo de acompanhamento, é necessário que a incorporadora tenha alguém na equipe que além da disponibilidade tenha entendimento básico sobre as certificações e conheça o processo das etapas.  Assim, o responsável saberá os momentos em que a incorporadora precisará tomar determinadas decisões para que o processo aconteça de forma satisfatória.

Se você tem um orçamento menor, é interessante que você olhe para os sistemas mono-atributos ou um sistema que tenha o escopo reduzido. Esses sistemas irão ter um processo de consultoria de menor duração porque haverá menor quantidade de atributos e portanto o custo com a consultoria será mais baixo.

Além disso, o custo das auditorias também serão menores já que esses sistemas não exigem uma complexidade durante a obra. Basicamente, eles exigem apenas que a obra tenha sido feita conforme o projeto.

Portanto, verifique antes o seu orçamento e a capacidade da sua equipe em poder acompanhar o processo de perto.

http://44arquitetura.com.br/2018/04/arquitetura-sustentavel-2018/

Foto: 44 Arquitetura

Referencial de Desempenho nos Sistemas de Certificação Ambiental

Outra questão importante em relação ao custo é o referencial de desempenho de cada um dos sistemas de certificação. Todos os sistemas de certificação possuem um referencial de desempenho que é basicamente uma meta em porcentagem de melhoria ou de redução no uso de água, energia, resíduos e assim por diante.

O referencial é usado como base, a partir disso você precisará consumir “x” por cento a menos. A localidade desse referencial fará com que o seu projeto fique mais ou menos
complexo.

O LEED por exemplo usa um referencial de energia da norma norte-americana  ashrae 90.1 . Nesse caso, o nível de eficiência energética é muito alto, ou seja o referencial de desempenho é muito eficiente. Nesse caso, para que você cumpra com as exigências do pré-requisito, você precisa ser mais eficiente que esse referencial.

O problema é que o Brasil está muito aquém das normas norte-americanas, então pra que você consiga um desempenho melhor que esse referencial, fica muito mais difícil. Isso significa que o seu projeto terá que ter sistemas e equipamentos muito mais sofisticados, eficientes e isso irá onerar o custo final da sua obra.

O AQUA usa um referencial brasileiro, nesse caso ele já está um pouco mais próximo do que o seu projeto pode atender e isso irá resultar em um custo mais baixo.
O GBC Brasil Casa e Condomínio também usa o como referencial de desempenho as normas brasileiras. O EDGE usa como referencial de desempenho uma construção típica da localidade do seu projeto.

Por isso, tenha em mente a distância entre o seu projeto e o referencial considerado pelo sistema de certificação ambiental pois isso irá influenciar consideravelmente no seu custo final.

Espero que tenhamos te ajudado com essas informações.

Se ainda estiver dúvidas, fique à vontade para falar com um dos nossos especialistas.

Imagem Destaque: Inovação Sebrae Minas

Inscreva-se no Nosso Canal e Ative as Notificações Para Não Perder Nenhum Conteúdo:

Acompanhe a Ca2
Facebook
YouTube
Pinterest
Pinterest
LinkedIn
Instagram

Cadastre-se para Receber Nossos Conteúdos e Novidades.

* campo obrigatório
    Quero Acompanhar Conteúdos Sobre: *